Informações e Entretenimento

Ferri, Genovino; Cimini Guseppe. Psicopatologia e caráter: a psicanálise no corpo e o corpo na psicanálise. Trad. Rosely Rodrigues. SP: Escuta, 2011.
“Este trabalho é uma proposta, uma tentativa de leitura da psicopatologia, entendida em seu significado global, assim como dos fenômenos que derivam da estrutura da personalidade, por meio de uma interpretação pós-reichiana, que se inicia com as ideias de W. Reich e se abre para outros desenvolvimentos. O seu objetivo é dar uma nova contribuição, é ampliar a perspectiva, é insinuar algumas dúvidas em uma cultura que parece estar pronta e que se nutre com certezas e autoconfiança, enfim, é provocar uma discussão que tenha resultados úteis no plano da práxis.”



A FALA HUMANA - VIGOTSKI

"A fala humana é, de longe, o comportamento de uso de signos mais importante ao longo do desenvolvimento da criança. Através da fala, a criança supera as limitações imediatas de seu ambiente. Ela se prepara para a atividade futura; planeja, ordena e controla o próprio comportamento e dos outros. A fala também é um exemplo excelente do uso de signos, já que, uma vez internalizada, torna-se uma parte profunda e constante dos processos psicológicos superiores; a fala atua na organização, unificação e integração de aspectos variados do comportamento da criança, tais como: percepção, memória e solução de problemas (cap 4). Vigotski oferece ao leitor contemporâneo um caminho provocativo para tratar um tema controverso recorrente – a relação entre processos explícitos e ocultos."

Vigotski, Lev Semenovich, 1896-1934. A Formação social da mente: o desenvolvimento dos aspectos superiores/L.S.Vigotski; organizadores Michael Cole...[et al]; tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche.-7ª. Ed.-SP:Martins fontes, 2007.-(Psicologia e Pedagogia)
Os tradutores pertencem ao Grupo de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos – Departamento de Ciências Biomédicas - USP


Ortóptica e Distúrbios da Visão
Colaboração de uma profissional de Ortóptica
Saiba Mais

Leia também o texto: PERDAS, VAZIOS E CARÊNCIAS
Tabagismo e mulher: uma questão de gênero - Aline Durrães
Saiba Mais

Leia mais em: www.olharvirtual.ufrj.br
PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL - UCAM/NF, 2009. PROJETO DE FINALIZAÇÃO DE CURSO - AUTORA: VANDA BARRETO LOPES TÍTULO: CONFLITOS EM SALA DE AULA E SAÚDE DOS PROFESSORES
Abrir Documento

Professora: Marília da Costa Mello Bueno (Orientadora)
PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA URBANA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO
UERJ-Universidade do Estado do Rio de Janeiro
AUTORA: VANDA BARRETO LOPES
Abrir Documento

TÍTULO: Preliminares de um estudo sobre contradições no processo de democratização na gestão da Escola Pública, a partir de alguns atores deste processo, como alunos, professores e Orientador Pedagógico

Banca: Profa. Letícia de Vicenzi (Orientadora), Prof. Luis Rodolfo Vilhena e Profa. Cleia Scheiavo Weiyrauch
EDUCAÇÃO - POLÍTICAS PÚBLICAS E INTERSETORIAIS: ESSE É O CAMINHO
Os Conselhos de Psicologia realizarão durante este ano de 2008 eventos regionais em quatro eixos fundamentais que nortearão o Ano da Educação.

O objetivo é construir espaços de discusões coletivas entre psicólogos e demais profissionais que atuam na educação e em setores da sociedade.

Leia mais em "Conselho Federal de Psicologia" www.pol.org.br


O que é ORTÓPTICA?

É um ramo da oftalmologia que diagnostica e trata dos distúrbios da visão binocular utilizando meios terapêuticos com o objetivo de fortalecer e restabelecer a visão binocular.

Qual a função do ORTOPTISTA?
É o profissional da área de saúde que irá diagnosticar e tratar dos distúrbios da visão binocular.
VISÃO BINOCULAR: é o emprego simultâneo dos dois olhos.

Em que a ORTÓPTICA pode ajudar à comunidade?
Na prevenção da cegueira, nas alterações musculares e no tratamento de um distúrbio muito comum chamado Insuficiência de Convergência (distúrbio que pode causar intensa sintomatologia como dores de cabeça após esforço visual, cansaço rápido ou mesmo o pular de linhas durante a leitura).

O que o professor pode observar no aluno quando na escola?
-Desvio dos olhos.
-Inclinação da cabeça.
-Leitura muito próxima ao rosto.
-Uso do dedo ou régua no acompanhamento da leitura.
- Coceira e lacrimejamento visual durante os trabalhos escolares para perto.
-Dificuldade no aprendizado.

Quais as queixas principais dos alunos?
- Dificuldade em ver o quadro-negro quando se senta em filas muito atrás.
-Dificuldade em escrever na linha do caderno.
-Dor de cabeça (principalmente após leitura...)
-Dor nos olhos.
-Imagem borrada do quadro-negro
-Visão dupla.
-Enjôo.
-Troca de linha à leitura.
-Cansaço visual (sensação de peso nas pálpebras).
-Embaralhamento das letras.
-Sonolência.

O que é um ESTRABISMO?
É a perda do paralelismo dos eixos oculares.

" Dieter Kirsch apresentou formas de utilização da linguagem do corpo no ensino de idioma estrangeiro, em oficina no Instituto de Formação de Professores de Língua Alemã-IFPLA, em São Leopoldo,RS."

" Com a proposta de utilizar a expressão corporal como ferramenta de ensino, o palestrante mostrou aos estudantes técnicas de como usar o corpo para estimular o aprendizado do aluno de língua estrangeira"

" Para Kirsch todo professor necessita ser um pouco ator. O ato de dar aula tem muito a ver com o teatro. Ao assumir seu papel o professor precisa de recursos para prender a atenção do aluno?"

Jornal da UFRJ na semana do Dia Internacional da Mulher-Olhar Virtual–Ponto de Vista - Entrevista Tabagismo e mulher: uma questão de gênero - Aline Durães

" Regina Simões, professora do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva (Iesc), e Márcia Trotta, pesquisadora do Núcleo de Estudos e Tratamento do Tabagismo (NETT/UFRJ) do Instituto de Doenças do Tórax (IDT/UFRJ), empreendem uma pesquisa que busca interligar o uso do cigarro à questão do gênero. No trabalho, as duas pesquisadoras associam as crescentes exigências que as mulheres vêm suportando na contemporaneidade ao aumento do tabagismo feminino. Para elas, as condições de vida e alguns hábitos domésticos facilitam o ingresso da mulher na classe fumante.

Em entrevista ao Olhar Virtual, Regina e Márcia falam sobre a pesquisa, comentam a ligação entre gênero e saúde e discorrem também sobre os malefícios provocados às mulheres pela busca da beleza idealizada "

"Regina Simões: Historicamente, o campo de gênero e saúde se constituiu a partir da constatação, pelo movimento de mulheres, de que o corpo feminino é um importante locus onde se expressa e se exerce a opressão de gênero, desde a repressão à sexualidade, e suas consequências sobre a saúde reprodutiva das mulheres, até as doenças que tipicamente expressam um mal estar da condição feminina como, na contemporaneidade, a anorexia e a bulimia. Não casualmente, identificamos hoje um processo de feminilização de determinadas doenças e agravos à saúde que apontam para as estreitas conexões entre gênero e saúde. A epidemia de Aids e o próprio tabagismo são expressões desses processos "